Ciclo Vago



Foram imensos passos não contados na estrada que traz solidão.
Sempre soube que não era infinito,
Que passaria rápido como todos os outros momentos da minha vida,
Porque o tempo não dá-nos o tempo que gostaríamos ter. 
O sonho passa a ser o que sempre foi: um sonho! 

As vezes a nostalgia daquele momento aparece como a neblina aparece pela manhã cedo e desaparece! 
Vive duas vidas distintas e ainda tenho mais por viver,
Era diferente do que sou agora, e serei diferente do que serei depois 

Mas a cada fase me encontro no mesmo lugar como se repetisse tudo outra vez
A flor da idade traz-me vaidades e também traz-me saudades

Cansei-me dos meios passos e permiti-me correr
Mesmo receando tudo aquilo que ainda terei de viver
Quem me dera subornar o tempo? Mas o tempo não perde tempo, isso eu pude perceber
Nesse vázio em que me encontro, interiorizo a vaidade e eternizo a saudade

É mais um ciclo, disso também sei
Um ciclo que suga, transforma e faz crescer.
Cheio de nada porém de mesmices incuraveis

Ficará o que tiver de ficar, o que se for não mais procurarei 
Deixarei as bagagens que o tempo deu-me para trás como rastros inconfundíveis da minha caminhada 
Irei, para onde não sei... Mas anceio pela alegria misteriosa.

Clea Ononade; Leda Rosse

Post a Comment